Infelicidade, uma constante presente em todo ser humano.

Ah, os seres humanos! Essas criaturas belas e terríveis que são capazes de fazerem coisas absurdamente admiráveis ou desprezíveis. E todos nós somos humanos (ou talvez você seja um alien, ou alguma criatura mágica. Se você for, desconsidere essa parte). Nós como humanos temos uma maldita maniazinha de sempre nos sentirmos infelizes. Lembro de ter escutado ou lido em algum lugar alguma vez que humanos são os únicos bichos que acham que deveriam ser felizes enquanto os outros animais simplesmente são. 
Isso é bem verdade não é? E estive pensando a respeito da minha infelicidade. Não, eu não sou uma pessoa infeliz. Ouso dizer que sou muito feliz com a minha vida, obrigada. Apesar dos pesares e outros pequenos infortúnios aqui e ali, no geral eu consigo lidar com tudo muito bem. Mas sempre chegará um momento ou outro onde me pego pensando como felicidade plena é algo difícil de alcançar... Porque bem, você nunca tem o que você quer. Ou pior ainda, quando você acha que tem tudo que queria, mas ainda sim sente que falta algo, sabe? Acredito que isso aconteça com todos nós. 
Partindo disso de felicidade, as pessoas sempre tentam alcançá-la. Apesar de eu ser muito feliz agora, como já havia dito, existe uma felicidade maior que aguardo ansiosamente. Mas infelizmente ela está muito lá na frente, no meu futuro e eu não posso adiantá-la para agora. 
Essa felicidade maior tem haver com o meu querer. O que eu quero para a minha vida, sabe? Eu sou uma pessoa muito determinada, quando eu quero algo, eu quero e eu vou conseguir, pois eu não aceito outra coisa menor como um prêmio de consolo. O que eu quero? Bem, eu acho melhor deixar apenas nos meus planos dentro da minha cabeça para não atrair mal agouro. 
Essa felicidade, esse querer funciona (acredito eu), mais ou menos como combustível para as pessoas seguirem em frente. Quando você está determinado a conseguir algo, você irá lutar até tê-lo, ou você desiste no meio do caminho, mas sempre haverá outras coisas para qual você vai correr atrás.
Mas a questão toda aqui sobre felicidade e querer e o problema que elas podem te causar. Quais problemas? Oras! Estou dizendo quando você abre mão de outros pequenos quereres por uma ambição maior. Esse é o meu caso. E sim, esse é um pequeno desabafo de uma pequena insegurança minha. Apesar de toda minha determinação e minha certeza, às vezes temo por estar abrindo mão de coisinhas pequenas por conta da minha felicidade maior e não conseguir alcançá-la. 
Falhar, o medo de falhar é terrível. Não falhar com os outros, mas falhar consigo mesmo. Tenho medo de perder o que é grande e o que é pequeno. Tenho medo de alcançar a felicidade maior e ter perdido as pequenas e boas coisas que me são fundamentais. Eu espero francamente que quando eu alcançar tudo que quero eu consiga também ter os meus pequenos quereres, meus pequenos desejos, mesmo que eles não sejam da forma que eu idealizei, eu espero dar um jeito.
Espero sinceramente que quando eu alcançar a minha felicidade maior, o meu grande querer não seja algo frustrado que ainda irá deixar um buraco permanecendo no meu peito. É desesperadora a idéia de conseguir tudo que você achava que te faria feliz e ver que elas não te fizeram tão feliz assim.

A arte de colorir mangas.

Bem, como muitos de vocês sabem, já viram e como muitos podem não saber muito menos terem visto, eu tenho o hábito de colorir páginas de mangas nas minhas horas de tédio.
Mas como assim colorir mangas? É, colorir mangas. Pegar uma página totalmente um preto e branco e deixá-la colorida.
Assim segue o exemplo a baixo:


Legal não? E muita gente me enche de elogios (o que eu gosto muito aliás, devo admitir, ahahaha), sobre o quanto eu pinto bem e o quanto elas gostariam de pintar também. Sinceramente eu não acho que colorir mangas tenha muito segredo não. Para mim basta dedicação, paciência e uma boa noção de cores. 
Por isso como muita gente me pergunta "Bocchan como você colore mangas?" e como muita gente já me pediu um tutorial sobre o assunto, resolvi finalmente fazê-lo!

O mundo Magyco de Septimus Heap.

Fazendo uma postagem descente agora, sem toda clichêzisse, resolvi iniciar o primeiro post de verdade falando sobre uma saga de livros incrivelmente desconhecida: Septimus Heap da Angie Sage.
Sinópse - As história de Septimus Heap tem início em Magya (sim, é magya com y mesmo). 
Silas Heap é o sétimo filho de um mago. Assim como seu pai, Silas é um mago Ordinário. Em uma noite fria e de muita neve Silas encontra um bebê abandonado, uma menina. Naquela mesma noite a Rainha fora assassinada. E não acaba por aí! Quando Silas chega em casa ele descobre que o seu sétimo filho que nasceria naquela noite fora declarado como morto pela parteira.
O que é uma pena, pois existe uma crença geral que o sétimo filho de um sétimo filho seria um mago terrivelmente poderoso. Visto a dor da perda de sua mulher, a família Heap adota a bebêzinha e lhe dá o nome de Jenna. Ela cresce sendo criada como um Heap até completar 10 anos de idade, que é onde a história toda realmente começa. 
 Durante dez anos a família Heap vive de maneira bastante simples (em um casebre nos emaranhados com sete crianças, um cachorro babão e os pais Heap) mas eles são felizes. Jenna é mimada por todos os irmãos e vive feliz até o dia em que o mundo que conhece muda bruscamente. Ela sofre uma tentativa de assassinato no dia de seu aniversário e sua identidade é revelada. Ela precisará fugir junto com toda a sua família e com a ajuda de ninguém menos, do que Márcia Overstrand, a Maga ExtraOrdinária do reino.

Comentários sobre a saga - Bem, eu particularmente acho Septimus Heap uma série totalmente encantadora. Mas atenção! Não venham esperando coisas complexas! A série infantil, ou infanto-juvenil se preferirem. Se fosse para relacionar a alguma outra série de livros, eu diria que Septimus está no nível de As Crônicas de Nárnia. Entretanto, como Septimus não é uma crônica, vocês iram se deparar com vários momentos de clímax que são de tirar o fôlego (mesmo sendo uma história infantil). 
O modo de narrar é maravilhoso. Existem momentos extremamente cômicos. É uma delícia de ler. Sem falar todas as criaturas encantadoras criadas pela Angie e todos os personagens com as suas personalidades adoráveis! Várias vezes eu me pego comparado os Heap aos Weasleys! É um universo completamente novo e eu nunca encontrei outro livro que passasse a sensação e tivesse o mesmo clima de Septimus Heap. Vale a pena conferir!
Atualmente a série se encontra no sétimo livro. No Brasil a série é lançada pela Rocco e tem até A Pedra da Demanda (o 4° livro da série).

Você pode entrar no site oficial da Saga clicando aqui.

Iniciando do modo mais clichê possível.

Começando o primeiro post com todo aquele clichê que todo mundo que cria um blog faz; O famoso "Porque eu criei um blog?". Certo, de fato esse é o melhor modo de se iniciar. Afinal todo mundo tem os seus motivos para criar um e o de quase todo mundo é a mesma coisa. Eu não sou diferente.

E esse motivo de todo mundo - que é o meu também, obviamente - vem da pura vontade de escrever. Escrever todo o egocentrismo de "mim". Do que eu gosto. Do que eu acho. De toda essa coisa centrada nas minhas idéias. Claro, afinal o blog é meu.
Então quero deixar aqui tudo que eu acho válido comentar e se vocês forem pessoas interessadas eu acho que vão acabar por conferir ou refletir sobre algumas coisas que aparecerem por aqui~