Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas.

Olá queridos leitores. Hoje venho lhes falar sobre um livro fresquinho (que eu acabei terminar de ler) e fiquei morrendo de vontade de escrever sobre ele. Vamos falar sobre Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas.

Sinopse: Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga. Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas.


Opinião pessoal: Eu estive por meses para conseguir pegar esse bendito livro! Desde fevereiro!  E ele não parava na biblioteca. Imaginem o tamanho da expectativa com ele! Tanta expectativa! Tanta ansiosidade e quando eu comecei a ler foi...! Foi pura decepção, eu confesso. Foi terrivelmente decepcionante. Porque? Bem, vamos lá;
A começar pela narrativa. O narrador conversa com o leitor, porém ele foi o narrador mais pé-no-saco de toda a minha vida. Claro, é muito interessante quando há, por exemplo, no meio de livro algo como; "e a história de fulano de tal se iniciou quando ele achou um feijão mágico, porém essa é uma história para se contar outro dia, não hoje". Sim, é bem legal, eu gosto, porém o autor de Dragões de Éter abusa muito disso. Parece que a cada cinco palavras há uma história para ser contada em outro momento! Chega a ser TERRIVELMENTE irritante isso. Ele poderia ter apenas citado ou então nem citado já que ele não pretendia dar continuidade a isso! Bem, deixando isso de lado (que acontece REALMENTE muitas vezes e é REALMENTE muito irritante e é o pior aspecto do livro na minha sincera opinião), vamos aos pontos positivos e o porque você talvez se interesse por Dragões de Éter;
O motivo de eu não ter abandonado o livro (além da longa demora que eu tive para poder tê-lo em mãos) foi o fato de ser um livro que explora conto de fadas de modo diferente. Existe a Chapeuzinho Vermelho e ela é amiga de João (de João e Maria). O vilão da história é Jamil Coração de Crocodilo que é filho de ninguém mais ninguém menos que James Gancho e por aí vai. Eu gostei do modo como ele explorou esses personagens e como ele os encaixou bem a sua história. Quando a narrativa pega um gás e as coisa começam a acontecer fica realmente interessante.
Impressões finais: Apesar de eu ter me decepcionado um tanto e ter esperado mais e eu ter sentido vontade de dar um murro no narrador por diversas vezes, eu ainda pretendo ler os próximos dois livros da trilogia. Eu acho que valeu a pena e não me arrependo de ter lido. Eu recomendo sim, para que vocês tenham as suas próprias impressões, apenas não esperem demais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário